Uso do ar-condicionado em ônibus não é propagador de COVID-19

Prezados passageiros, segundo Lessandra Michelin, médica infectologista integrante da Sociedade Brasileira de Infectologia e professora do curso de Medicina da UCS, o ar-condicionado por si só não é um agente multiplicador do vírus. “Infecções como o coronavírus são transmitidas ao tocar superfícies contaminadas ou ao respirar gotículas de alguém que tosse ou espirra e que tenha o vírus. O ar-condicionado não tem a capacidade de carregar gotículas de passageiros e distribuí-las contaminando o ambiente”.

A Organização Mundial de Saúde (OMS), recomenda que empresas e passageiros de transporte coletivo adotem as medidas preventivas indicadas pela entidade. As orientações são, para as empresas, redobrar cuidados com a higienização do interior do veículo e superfícies.

Para passageiros os cuidados incluem lavar as mãos com água e sabão, fazer uso de álcool gel, principalmente após tocar superfícies que possam estar infectadas ou em locais com alto fluxo de pessoas, além de espirrar ou tossir em lenços de papel que devem ser descartados após o uso.